A criança ensina a cuidar

13/02/2018

Sobre cuidar e cuidar-se...

"A própria criança te ensina a cuidar."

Palavras da Neide.

Neide, a diarista. Senhora simples. Coração generoso .

Neide cuidava de uma neta "especial", abandonada aos seus cuidados pela filha que em desespero havia deixado a bebê de meses no berço com uma carta de despedida. Neide assumiu a menina como sua, de papel passado, mesmo sem ter condições de criá-la. Neide, que me ajudava com a faxina aqui em casa, nunca se queixava da vida. Tinha uma força que me constrangia e ainda ouvia meus queixumes tolos, meus problemas, bem menores que os dela, enquanto cozinhava um feijão que só ela sabia fazer.

"Essas crianças assim (ela disse olhando para a Rebecca)... elas mesmas ensinam a gente a cuidar", foi mais ou menos desse jeito que as palavras saíram, carregadas de sabedoria, em toda a sua simplicidade, acompanhadas de um olhar marejado de consternação. Olhar de quem enxerga a sua própria dor na dor do outro. A dor com a qual ela já havia se acostumado, e que em mim ainda latejava naquele momento.

"Crianças assim" ...

Crianças como a Rebecca, como a netinha dela, crianças que ninguém está preparado para receber, crianças que fogem a um padrão esperado/ desejado, crianças cujas singularidades assustam, confundem, paralisam , desnorteiam...

O que fazer? O que esperar? Como agir com elas? Como cuidar de crianças assim?

"Elas mesmas ensinam a gente a cuidar", Foi o que a Neide me disse.

Só mais tarde eu entenderia o significado dessa frase. É na relação que se aprende a cuidar, é no olhar de perto, é no ouvir atento, é no toque, é no abraço, é no esperar, é no sentir, é no viver, é na acolhida que se aprende a cuidar. É a própria criança quem ensina como precisa ser cuidada.

Nenhuma criança com deficiência traz consigo cartilha ou manual. Não tem livro nem curso de capacitação suficientemente abrangente que prepare um pai, uma mãe, um cuidador ou um professor para resolver plenamente todas as situações desafiadoras deste convívio. É justamente O CONVÍVIO a chave. É o convívio que garante que se aprenda o cuidar. É o convívio que garante que a criança nos mostre como cuidar.

A criança NÃO SÓ nos mostra como cuidar dela, mas também nos ensina a cuidar de nós mesmos. Como pais, passamos a ser mais cuidadosos... Cuidadosos com as nossas escolhas, com as nossas palavras, com a nossa saúde, porque existe alguém que depende de nós, alguém que é diretamente afetado e influenciado pelas nossas escolhas, pelo nosso discurso, pelo nosso estilo de vida, alguém que se espelha em nós, alguém cujo bem estar depende também do nosso.

Hoje em dia nós, enquanto pais, quando optamos por uma vida mais saudável, por hábitos mais saudáveis, estamos diante de uma decisão que vai além de fins estéticos, vai além da satisfação pessoal e da necessidade de cuidarmos de nós mesmos. Essa atitude parte também da necessidade de estarmos fortes, de estarmos bem... Parte da constatação às vezes um tanto assustadora de que não podemos nos permitir ficar doentes. Não podemos adoecer. Não podemos perder as forças, não podemos NÃO ESTAR presentes.

A Rebecca nos ensina diariamente que cuidar dela não é tão difícil quanto possa parecer. O mais difícil é aprender a cuidar de nós mesmos. Sim, a criança nos ensina a cuidar. Dela e de nós mesmos, não só fisicamente, mas em muitos outros aspectos. Não só o corpo, também a mente precisa estar sã. Também a alma precisa estar suprida para que se possa seguir com fé nessa caminhada tão cheia de altos e baixos, nessa jornada do cuidar. Corpo, mente e alma precisam ser nutridos, afagados, fortalecidos, renovados... Corpo, mente e alma precisam ser cuidados, para que se possa prover cuidados.

Cuide-se bem, para cuidar melhor de alguém!


*Neide é um nome fictício. A pessoa e a história são reais.